Sem categoria
Receita! Desintoxicação da pele.

Postado por Auá Natural em 25/05/2018

Diariamente nosso corpo está exposto a diferentes fatores externos que podem prejudicar nossa saúde. A pele é o maior órgão do nosso corpo, e por este motivo está diariamente em contato com diversos elementos externos. A exposição ao sol, sal, cloro e uso excessivo de protetor solar, por exemplo, fazem a pele sofrer e levam a um desgaste também, sem contar com o uso de maquiagens pesadas, às vezes feitas com produtos inadequados e agressivos, e a poluição do dia a dia. Desintoxicar a pele é uma parte importante dos cuidados com a saúde. Além de reduzir os impactos do tempo, com a redução do aparecimento de marcas, manchas e rugas, o detox ajuda a equilibrar questões como a oleosidade, livra o corpo e a pele de impurezas do dia a dia, libera toxinas, entre outros benefícios.

 

– Quais são os sinais de uma pele intoxicada?

A combinação de aspectos como a poluição, maquiagens e outros fatores externos aos quais estamos expostos diariamente, levam à intoxicação da pele, que acaba ficando com os poros cheios de poluentes e sujeiras, ocasionando inchaços, alergias, irritação, marcas, manchas, aumento da oleosidade e até mesmo a aceleração no aparecimento de rugas.

 

– Receita de desintoxicação com modo de uso

A pele intoxicada requer cuidados e seguir alguns passos para sua desintoxicação é essencial para mantê-la saudável e bem cuidada.

 

1.Limpeza da pele com cosméticos contendo ingredientes naturais


A limpeza da pele intoxicada deve ser suave, feita com um sabonete contendo ingredientes naturais, como aloe vera e extratos de plantas, como chá verde, que auxiliam na desintoxicação e que contenha também hidratantes na fórmula, como óleos vegetais de coco tucumã, babaçu e outros. O ideal é utilizar sabonetes líquidos, pois são menos abrasivos que os em barra. Lave o rosto com o sabonete líquido da linha Auá pela manhã e à noite.

 

2. Esfoliação com semente de maracujá

O excesso de células mortas e também o ressecamento são problemas típicos da pele que sofreu danos e intoxicações a partir dos agentes externos e agressivos do dia a dia. Existem cosméticos prontos que combatem o problema, porém, a maioria contém microesferas de polietileno, que prejudicam o meio ambiente. A farinha da semente de maracujá é excelente opção para uma esfoliação natural da pele. Misture a farinha da semente de maracujá da linha AUA à um hidratante base e aplique essa mistura em todo o corpo e fazendo movimentos suaves, circulares e ascendentes (de baixo para cima) por no mínimo cinco minutos. Esse tempo de aplicação pode chegar no máximo a dez minutos. Em seguida, retire apenas com água.

 


3. Tonificação da pele para desintoxicar


A loção tônica da linha AUA complementa a limpeza do sabonete, acalma a pele e traz frescor, além de fechar os poros, ativar a circulação local e restabelecer o pH da pele.

 

4. Pele renovada com óleo rejuvenescedor

Uma ótima dica para hidratar todos os tipos de pele é a óleo rejuvenescedor da linha AUÁ, que é composto por um óleo 100% natural de Cacay originário da Amazônia brasileira e colombiana, com alto teor de vitamina E e retinol. O produto hidrata, combate o ressecamento e o envelhecimento da pele com até 80% de redução de linhas de expressão e melhoria da textura em testes de eficácia, melhorando a elasticidade, além de ter ação antioxidante e anti-inflamatória. Mantém a umidade natural da pele. Usar 2 gotas diariamente, espalhando na palma das mãos e aplicar no rosto a noite.

 

Referências

PUBLISHING, Harvard Health. The dubious practice of detox. 2008. Disponível em: <https://www.health.harvard.edu/staying-healthy/the-dubious-practice-of-detox>. Acesso em: 22 maio 2018.

NORTON, Allison. Detox Diary: I Tried a Skin Cleanse for Two Weeks and Here’s What Happened…. 2016. Disponível em: <https://laurenconrad.com/blog/2016/02/detox-diary-i-tried-a-skin-cleanse-for-two-weeks-and-heres-what-happened/>. Acesso em: 22 maio 2018.

LIU, Xing-xing et al. Decreased Skin-Mediated Detoxification Contributes to Oxidative Stress and Insulin Resistance. Experimental Diabetes Research, [s.l.], v. 2012, p.1-9, 2012. Hindawi Limited. http://dx.doi.org/10.1155/2012/128694

Compartilhe essa ideia: