Naturalândia, Slow Beauty
Mitos e verdades sobre os óleos faciais.

Postado por Equipe Auá em 13/09/2017

Muitos naturebas andam pesquisando sobre o uso de  óleos faciais no cuidado com a pele. A procura por este produto cresceu pois eles  possuem uma elevada concentração de antioxidantes, minerais, vitaminas e ácidos graxos essenciais que  nutrem a pele intensamente.  

Listamos as verdades e mitos no mercado sobre esse tipo de tratamento para que você fique ligado :

Óleos faciais são indicados apenas no inverno? Mito.

A pele necessita de cuidados durante todas as épocas do ano e não apenas no inverno. Quando o clima estiver mais quente e úmido , o ideal é usar no período da noite.


Quem tem pele mista ou oleosa pode usar? Verdade!

Pessoas com este tipo de pele também podem usar os óleos faciais, mas com um pouco de cautela. Primeiramente não deve-se exagerar na quantidade, de uma a três gotinhas são suficientes para usufruir dos benefícios do produto. Nesse caso, deve-se também evitar utilizar o produto na zona T do rosto.


Óleos entopem os poros? Depende.

Os óleos faciais compostos apenas por óleos vegetais de boa qualidade  atuam formando uma leve camada sobre a pele e são completamente absorvidos por ela. Os óleos faciais que utilizam ingredientes que possam ser comedogênicos (capacidade que um ingrediente tem de obstruir os poros) podem obstruir . Lembrando sempre que devem ser utilizados em quantidades bem pequenas, sem exageros, pois o uso em excesso não apenas de óleos faciais mas de qualquer outro produto cosmético pode sim obstruir os poros.


Óleos ajudam a pele sensível a se regenerar? Verdade.

Por serem produtos de origem vegetal, não agridem a pele e podem ser utilizados em peles sensíveis. Os óleos faciais possuem diversos ativos benéficos para a pele e auxiliam na regeneração celular. São compostos por antioxidantes que combatem os radicais livres atuando no combate a rugas, possuem alto poder de hidratação da pele pois penetra profundamente e reforça a camada natural de gordura que protege a pele contra a perda de água, mantendo-a com aspecto suave e macio. Também atuam reduzindo a flacidez e podem auxiliar no clareamento de manchas.



É melhor escolher produtos 100% vegetais? Verdade.

O uso de produtos 100% de origem vegetal trazem inúmeros benefícios a pele, como por exemplo evitam possíveis reações alérgicas que podem ser desenvolvidas a partir de diversos ativos sintéticos usados em produtos cosméticos. Além disso,  possuem inúmeros ativos de origem vegetal como ácidos graxos, vitaminas e antioxidantes que tratam e nutrem a pele.


Óleos faciais causam espinha ? Mito.

Se utilizados sem exageros e escolhendo óleos faciais de boa qualidade sem nenhum óleo ou ativo comedogênico, eles são absorvidos pela pele e não causam espinhas.

 

É importante lembrar que existem inúmeros tipos de pele e muitos outros fatores externos que   influenciam na saúde dela como : alimentação, hormônios , stress , entre outros  .  Mesmo que você estaja usando  um produto vegetal de qualidade,  é necessário observar  as reações da pele. Caso apareça alguma adversa,  você deve procurar um médico dermatologista e o uso  deve ser descontinuado imediatamente.

Gostou do nosso post? Compartilhe essa idéia com os seus amigos ! Vamos juntos?

 

#auanatural #gentecomovoce  #vamos #sejasaude

 

                                                                   Aprenda também a ler os rótulos dos seus produtos ! 

 

Elaine Andrade.

Farmacêutica e Bacharel em Química – UFRN

 

Referências:
FULTON, J. E.; PAY, S. R.; FULTON, J. E. Comedogenicity of current therapeutic products, cosmetics and ingredients in the rabbit ear. J. Am. Acad. Dermatol., v. 10, p. 96, 1984.
REGIÃO, Conselho Regional de Química Iv. MANUAL DE COSMETOVIGILÂNCIA. Disponível em: <http://www.crq4.org.br/sms/files/file/ManualCosmetovigilancia.pdf>. Acesso em: 05 set. 2017.
J, Alfaro M de; C, Padilla F; N., Pérez M.. Caryodendron orinocense (‘nuez de Barinas’) oil: tocopherol content and use in cosmetics. International Journal Cosmetics Science. Venezuela, out. 2000. p. 335-340.

Compartilhe essa ideia: